#Não Mais Aqui

26 jun

Olá,

Sei que muita gente vem até aqui, por conta dos medicamentos que cito que fiz uso, pelo estado mental que enfrentei e isso para mim é extremamente gratificante. Mas foi uma fase da vida, que fez muito sentido e expor me ajudou muito, mas essa necessidade passou.

Aprendi a lidar com a situação de outra maneira. Hoje já não tomo mais medicamentos e a vida segue dentro do padrão de normalidade da sociedade, ou quase isso. Certo ou não, eu não sei.

O fato é que recebo muitos comentários, muitas dúvidas e compartilhamentos de angústias e preciso dizer que não mais uso este blog, não estou mais aqui, quase nunca entro, enfim…A única forma que posso ajudá-los é com os textos que aqui estão, nada além disso.

E o que posso desejar a todos é equilibrio e qualidade de sobrevivência, não desista.

 

 

 

 

 

Não quero expor mais…

16 out

Não sei se por um tempo, ou para sempre, mas decidi que neste momento não acho apropriado falar sobre o transtorno. Eu o tenho e terei de levar comigo o resto da vida, porém como é uma escolha minha.

sigo com o tratamento SIM. E estou bem.  Oscilo bem menos e isso é muito bom, para mim pelo menos, a confusão mental, a anisedade, o pânico e a insegurança quase não existem mais. Mas sei que estão aqui dentro.

eu resolvi viver.

estou em outro lugar, mas lá eu falo de vida Da forma simples, sem complicações.

bookspelagi.blogspot.com.br

Topiramato

29 nov

Eu disse (ou acho que disse) que não falaria sobre o medicamento enquanto não formasse uma opinião sobre ele. Mas a verdade é que a opinião não é bem sobre o medicamento e sim sobre nós mesmos.

Não adianta nada a medicação e só se você não quiser mudar. Assim como eu vivi anos sem remédio e fui levando, porque naquele momento, aquilo era o suficiente para mim.

Eu comecei há 18 dias. Com 25 mg no começo foi difícil, vomitei muito, acentuou minha ansiedade, dava muita fome e quando ia comer simplesmente não conseguia. Me sentia desequilibrada, confusa, cansada. Aos poucos fui voltando a dormir. No começo poucas horas por noite e uma noite sim e outra não.

Porém eu ainda continuava com a homeopatia a base de alcool. E eu estava meio que surtando em dados momentos do dia, não sei se por conta do alcool, não sei se por minha conta. Mas o fato é que eu me sentia indo ao terreiro de umbanda e a igreja evangélica, ou seja, seguindo duas linhas completamente diferentes. Então, neste momento, eu resolvi parar a homeopatia, mas que me foi de grande valia num momento de muita confusão mental. Quando eu não tinha nada, segurou meu “batuque” por um mês e meio, mas não dava para mais para “passar um pano”
Então fiz uma escolha.

Alguns dias depois, começaram os formigamentos interminaveis, coisa que eu sempre tive, porém estes são em locais diferentes e de mais longa duração : os sentia nos pés, joelhos, mãos e cheguei a sentir na boca. Agora eles já quase não existem mais. Só quando fico agitada, ou nervosa.

Eu não senti essa perda absurda de apetite que todo mundo comenta. Tem dias em que eu como bem e tem dias em que não. Mas eu sempre fui assim. Então não é algo ainda que eu possa mensurar. Mas em breve eu vou me pesar.

A minha memória anda pouca coisa afetada, nada muito gritante. Como algumas vezes eu ficava dias sem dormir, era normal eu ter período com confusão ou lapso. Então nada de diferente ou para pontuar também.

Semana passada senti muuuuita dorde estômago, muita mesmo. E se eu fico um certo tempo sem comer, ele volta a doer. Será normal ? Eu não leio bula. Porque certamente sentirei tudo o que lá disser.

Esta semana senti muita dor de cabeça, período menstrual. Senti dois dias antes de menstruar. Antes eu tinha dores de cabeças quase que todos os dias. O neuro disse que eu tinha sei lá o que, acho que deve ser enxaqueca crônica. Mas eu tomo o topiramato para a bipolaridade.

Quando eu comecei a me tratar com o Topiramato eu já havia perdido 17 quilos. Mas eu ainda continuo 20 quilos acima do meu peso (eu sempre fui só a capa do Batman e não sei se quero voltar a ser)

A terapia tem me ajudado, embora eu tenha feito apenas 2 sessões. Ela me faz me sentir mais segura, mais capaz. Estou aprendendo coisas novas. Eu como disse diversas vezes, entendo que eu tenho uma “doença”, mas jamais vou permitir que ela me limite de ser alguém, de chegar aonde eu quero

Ainda tenho muitas coisas a melhorar. E coisas que eu gostaria muito de expor aqui, pq eu acredito que ajudaria muita gente, mais são coisas que eu ainda não estou pronta.

Agora a dúvida que não quer calar, pelo meu ciclo, eu estaria entrando na euforia. Então será que eu estou ficando “equilibrada” por conta do Topiramato ou será que é a linda da euforia chegando ? Eu quero muito acreditar que seja o remédio. Eu gosto muito da euforia. Eu só não gosto do que vem quando ela acaba.
Isso serão cenas dos próximos capítulos…

Porque, teoricamente. A euforia, agora não mais vai existir. Então esta pessoa, seria o eu de verdade. Então esta é quem eu sou ? Seria isso ?

Corda Bamba

18 nov

Parece que o costume entre estar desequilibrada é sempre maior, que quando começa a entrar em equilibrioé estranho.

Até ontem pela manhã eu me sentia mal e de repente puft ! Uma onda de bem estar invadiu. E não foi substituida pela euforia, simplesmente algo natural. Um estado que se eu já tive alguma vez, eu não me lembrava como era.
A ansiedade não consome, a depressão não destrói, a euforia não faz perder a razão. É algo simplesmente leve. Os pensamentos repetitivos não existem e eu quase dormi. Descansei. Será este um novo começo ?

O detalhe é um só : sem tudo isso eu não sei mais quem eu sou. E isso me preocupa.

E eu tenho andado sem paciência, nervosa, mas já bem menos do que quando eu comecei o tratamento. Hoje eu entro no sétimo dia.

#Muitoestranho

14 nov

Depois de 8 anos de descobertas, altos e baixos e uma melhora significativa no meu diagnóstico. Eis que tenho notado uma coisa, me parece que o eu quer sair da depressão e estabilizar o seguir para euforia, ainda não identifiquei ao certo desta vez. Mas de repente vem a agressividade, ou a ansiedade para desmoronar com tudo. Quase que numa média de dois dias mais ou menos para um mal. Será normal ? Eu nunca vivi isso.

Na verdade, nem sei se cheguei a ter consciência do meu estado quando fazia uso de medicamentos. É temos fases complicadas na vida. E a minha melhorou ainda bem, porém ainda esta longe do que eu imagino ser o ideal e olha que eu nem quero muito.

Andei pesquisando algumas coisas, mas vejo que as pessoas tem mais necessidade em falar sempre o ruim do que exaltar o bom, então acabei desistindo. Serio mesmo, não pesquisarei mais sobre medicamentos, efeitos, relaxamentos e etc…

Mas caso vocês ainda desejem, sim, eu posso relatar aqui a minha experiência. Não tenho problema nenhum com isso. Acho que a exposição, quando ajuda alguém, é muito válida.

E sim, podem continuar deixando comentários e pedindo para não publicar que eu o farei. E responderei de forma sútil e sem referências em meus posts.

Essa noite eu dormi, que benção, nem lembrava mais como era dormir uma noite inteira. Porém, acordei passando mal de ansiedade e assim foi o dia todo. Só agora a noite é que caiu a minha ficha de que eu estava com tempestade em copo dágua e fui me colocando no lugar. Mas esta noite não fiz o exercício de relaxamento, será que existe ligação ?

Eu ainda estou receosa em relação a terapia. Mas acho que é só um bloqueio ao que vai me fazer melhorar. Chega de começar as coisas e não acabar. Não tenho mais tempo a perder e muito menos vida para desperdiçar.

 

De volta ao convencional

13 nov

Depois de relutar por 8 anos eu resolvi querer me tratar, mas me tratar de verdade e não aenas por um tempo. Cansei de oscilar. Cansei de amar a euforia achando ser o que não sou, detesto a depressão acabando com o pouco de coisas boas que restam em mim.

Abro mão da euforia, abri as portas ao medo de descobrir quem eu sou realmente. Tenho medo é lógico, eu não sei mais quem eu sou, como eu sou, do que eu gosto ou não gosto. Eu sei apenas o que me fazia me manter lógica e dentro de um equilibrio razoavel sem que eu precisasse surtar.

É claro que estou insegura, achando que as pessoas podem não gostar deste novo eu e até eu mesma. Mas isso é um segundo momento.

Não larguei a homeopatia não, os florais tem me ajudado bastante. Não tanto quando o “rescue remedy” ajudou, mas sim está dando uma aliviada na pilha. A ansiedade que estava dsemfreada desacelerou um pouco, agora só fico sem dormir, mas as crises nervosas já passaram, ou melhor, estão controláveis.

O relaxamento continuo quase todas as noites antes de dormir. Toda noite também assisto slgum filme para cansar a cabeça e mudar o foco. Mas não quer dizer que já esteja cem por cento, mas melhorou. Eu não descanço, acordo de hora em hora, tenho pesadelos, mas durmo. Cheguei a ficar 3 noites em claro. Indo trabalhar ainda, não é uma vida fácil, mas não vou me entregar. Não mais uma vez.

Também resolvi dar o braço a torcer e voltei a psiquiatria. Mas mudei de médico. Agora tenho uma médica. E ao me dar apenas UM remédio ao invés de cinco, ela me conquistou (tenho muito problemas em aceitar medicação). Não vou citar o medicamento ainda, vou esperar passar a fase de adaptação primeiro. Mas não precisei parar a vida por conta dos “colaterais”. Acho que me livrei do Rivotril, já não tomo há quase um mês, o Valium a mesma coisa (eu os tomava quandk ficava muito agitada) e nem cosquinha faziam mais. Só me deixavam trabalhar sem passar mal, isso já era uma grande coisa na época.

Estou feliz, feliz que eu quero dizer não é ainda a felicidade concreta, a equilibrada. É só a excitação de estar crente que vou melhorar. Eu nem lembro mais como é dormir uma noite toda.

Iniciei também a terapia, eu gostei, mas me sinto insegura ainda em relação a isso, mas se vai me ajudar eu vou me esforçar para conseguir fazer.

Hoje eu andei um quilometro e meio, sozinha.

VIVA A EVOLUÇÃO

Então, seja qual for o seu problema, a sua limitação e a sua situação de enxergar tudo isso. Mas nunca desista de você. Não importe o tempo que leve. E não se prenda a rótulos, diagnósticos e sim a você, ao que você sente. É claro que um médico estudou anos, mas tem de ser uma coisa em conjunto e não uma imposição por um dos lados. Os dois andando em conjunto, acho wue fica fácil encontrar um equilibrio. E principalmente você se aceitar e querer melhorar, não usar a sua limitação como muleta para tudo por ser mais fácil, eu sei que é. Mais nem sempre o mais fácil, é o menos dolorido.

Ainda pretendo incluir mais coisas neste “tratamento”.

BOA SORTE.

WordPress

10 nov

Eu nem me lembro ao certo como vim parar aqui, mas a verdade é que já tem alguns anos. E embora este já seja meu endereço de referência, acho o WordPress muito complexo. 

Seja qual a alteração que você for fazer, ela sempre é confusa. Fora que vivem mudando tudo o tempo todo e isso me irrita muito.

Eu pretendo em breve (já tentei uma vez e não consegui), mudar tudo para outro lugar, um lugar mais fácil como o Blogger talvez.

Por enquanto, não irei fazer grandes mudanças no layout, não tenho saco.